domingo, 16 de julho de 2017

"Quem anda à chuva,molha-se"


Foto de Estefânia Barroso.
Este texto é a propósito de uma crónica surgida no "P3".
Recentemente o site editorial da imprensa publicou uma crónica de uma pessoa sobre a violência nas redes sociais.
Analisando bem,ela é ingénua nas andanças da internet porque provém da falta de contacto com as redes sociais:ela conviveu numa época mais primitiva e distante na comunicação.
A autora é uma professora que veio procurar fama através da crónica:não tinha nada que criar um blogue e expôr para exibir que é moderna e sim se preocupar com a carreira dela,assim revela ser desocupada se o intuito é pescar seguidores.
O teor da crónica potencia um ciclo vicioso de comentários por duas razões:primeiro,ela devia ter observado melhor antes de debitar a opinião e segundo,tem uma percepção limitada a ponto de referir que é típico dos portugueses;o que não é verdade,qualquer nacionalidade assume outra postura atrás do ecrã,principalmente agressividade num espaço de debate e nesta parte não se mete o país ao barulho e sim questões educacionais.
O certo é que a Estefânia Barroso ganhou visibilidade e também está sujeita a críticas desagradáveis,pois não é só com os outros que acontece.Talvez os alunos cheguem a descobrir isso e as figuras ridículas que apresenta,mesmo que não falem nada e seja reconhecida na escola...uma licenciada com um tema do nível básico geralmente não é lá muito profissional no trabalho,costuma ser mente formatada e logicamente tem uma visão bacoca.
A equipa da redacção deve ter aprovado a publicação só por causa do estatuto,se fosse uma mera anónima não ia ter direito de ser lida;mal de quem a incentivou a escrever a não ser que fosse algo relacionado com a área dela!
É de admirar que só esse tipo de autores seja seleccionado para a secção do "P3",pois a constatação dela não é nenhuma novidade para alguém que depara diariamente com poluição verbal.
Há um detalhe controverso que faz confusão:ela salienta que as críticas são bem-vindas e em seguida fica ofendida ao dar um exemplo lido por aí de que os gays são obra do demónio?Esta é uma autêntica parvinha do politicamente correcto que se acha impune!!!
A liberdade de expressão para além de implicar ser racional,exige uma extrema imparcialidade e ela não pode lançar crónicas a influenciar terceiros com os seus gostos pessoais!
Pelo histórico lá no site,ela escreveu uma acerca do músico Salvador Sobral a defendê-lo dos achincalhamentos virtuais por ter proferido uma frase descabida durante um concerto solidário,citando até uns comentários que chamaram a atenção...ou seja,isto é demais!
Essa gaja irritante está a interferir com a reacção do público ainda por cima foram expostos sem autorização,ah pois é,acabou de reflectir a moral de plástico e o preconceito dissimulado...só pode ter sido uma forma de canalizar a frustração.
Quanto à página e ao perfil da quarentona,são desprezíveis!Parece ser uma pessoa que não atingiu maturidade suficiente devido ao conteúdo superficial e as fotos traduzem comportamento de adolescente o que compromete como docente.Ter assuntos insignificantes ou clichés é logo motivo para perder interesse neste caso,desconfiar porque ela já transmitiu uma reputação negativa.
A autora dá a sensação de ser intolerante com os que discordam por conseguinte é uma hipócrita que decidiu ter uma página e publicitar a fim de exclusivamente fazer número,aproveitando a vantagem de ser professora de modo a conseguir com que os leitores a respeitem e a oiça,emitindo coisas aleatórias.
Ela sabe pouco e quer apenas receber bajulações gratuitas para insuflar o ego.
Resta terminar com o velho provérbio:"Quem anda à chuva,molha-se".

Sem comentários:

"O discurso é o rosto do espírito." Séneca
"A vida é uma simples sombra que passa (...);é uma história contada por um idiota,cheia de ruído e de furor e que nada significa." William Shakespeare
"O homem que não tem vida interior é escravo do que o cerca" Henri Amiel
"É bom escrever porque reúne as duas alegrias: falar sozinho e falar a uma multidão" Cesare Pavese .